segunda-feira, 25 de abril de 2016

O Caçador e a Rainha do Gelo

Elenco: Jessica Chastain – Sara, Chris Hemsworth – O Caçador, Emily Blunt – Freya, Charlize Theron – Ravenna, Sam Claflin – William, Sheridan Smith – Mrs. Bromwyn, Sophie Cookson – Pippa, Nick Frost – Nion, Rob Brydon – Gryff. Diretor: Cedric Nicolas-Troyan

Sinopse: Freya é a irmã boa da toda poderosa Rainha Ravenna. Depois de passar por um trauma, no entanto, ela desperta para os poderes mágicos e se isola. Longe da irmã, ela constrói seu próprio reinado – se torna a Rainha do Gelo –, onde recruta crianças para compor seu exército, sob duas ordens: jurar obediência a ela e que os jovens abdiquem de qualquer forma de amor. Dois dos pequenos mais talentosos para o combate, Erik e Sara, crescem e se apaixonam. Quando Freya percebe que foi “traída”, no entanto, separa os dois. Paralelamente, o poderoso espelho mágico é dado como desaparecido. E será preciso impedir que o objeto caia nas mãos da nova rainha.


Desde o primeiro filme já imaginei, antes mesmo de assistir, que o Espelho Mágico deveria passar por uma consulta no oftalmologista ao achar que Branca de Neve (Kristen Stewart) era mais bonita que a Rainha Má (Charlize Theron).

Talento e beleza a parte, Charlize Theron retorna para a continuação de um filme que, honestamente, me passou despercebido. O fato é que tanto o original, quanto esta continuação, passam como um disparo sem qualquer medo de passar vergonha, na tentativa de lançar novas releituras de contos de fadas. Assim como em séries ou filmes que atualmente fizeram certo sucesso.

Mesmo que O Caçador e a Rainha do Gelo se esforce para trazer temas femininos para a trama principal, o filme fica um pouco perdido por não centralizar em qual é sua função. Se é uma sequência, se é um prelúdio, se a história é sobre as Rainhas, se a história é sobre as origens do Caçador, etc...

O diretor Cedric Nicolas-Troyan, que foi o responsável pelos bons efeitos especiais de Branca de Neve e o Caçador, fez sua estréia na direção com esta sequência. Um trabalho que passa despercebido, sem grandes momentos.

Sem criticar o talento de Kristen Stewart, mas nesta sequência sua presença foi realmente desnecessária, foi o ponto positivo do filme de não incluir sua personagem que "fechou seu ciclo na história", mesmo que no primeiro filme a atriz não demonstrou uma grande atuação ou um real interesse de ser a tal nova Branca de Neve.

O fato é que esta "saga" está se saindo bastante desnecessária, bons efeitos visuais não mais justificam a qualidade de um longa. São dois filmes descartáveis, aqueles que não marcam nossas vidas. Assistimos o filme, saímos da sala do cinema e já esquecemos de praticamente tudo em minutos para nos preocuparmos com nossas próprias vidas.

Sinceramente, assistir Branca de Neve e o Caçador e O Caçador e a Rainha do Gelo me faz lembrar com nostalgia dos tempos de adolescente quando passavam filmes como Krull (1983) ou He-Man (1987) na TV durante as tardes e que em momentos "chatos" do filme a gente passava por outros canais e voltava depois de vários minutos para ver se o filme ficou mais interessante.

Trailer do site:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente: