sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Horizonte Profundo - Desastre no Golfo


Sinopse: Baseada em eventos reais, a história se passa no Golfo do México, na plataforma de perfuração marítima Deepwater Horizon. Diante de um dos piores vazamentos de petróleo na história dos EUA, Mike Williams (Mark Wahlberg) e os demais trabalhadores embarcados lutam para escapar com vida do terrível acidente.


Lembro quando fiz a crítica de Presságio (CLIQUE AQUI para assistir), onde o personagem de Nicolas Cage descobre grandes desastres através das previsões feitas por uma garotinha décadas atrás. Uma dessas previsões era um desastre com uma plataforma de petróleo no Golfo do México. Curioso pensar que Presságio é um filme feito em 2009, ou seja, um ano antes do desastre real que Horizonte Profundo se baseia. Estaria o filme Presságio prevendo de verdade a tragédia que Horizonte Profundo nos mostra?

Estrelado por Mark Wahlberg e acompanhado por um elenco sempre competente, Horizonte Profundo - Desastre no Golfo procura já construir seus momentos de tensão logo no inicio, avisando que o que virá a seguir será tenso. Não poderia ser diferente, pois a tragédia real deixou 11 mortos, 16 feridos e um imenso desastre ambiental, espalhando petróleo por 1,5 quilômetros da costa dos Estados Unidos.

O filme tenta, sem receios, apontar os culpados reais dos acontecimentos. Seja a empresa petrolífera, que posteriormente concordou em indenizar o governo, seja também os executivos capitalistas que pressionam os funcionários.

Muitos julgaram o filme por ter carência de explicações técnicas, mas pensando bem, explicar demais tecnicamente poderia tornar o filme um tédio. Está certo que precisamos fazer o público entender o tamanho do imenso desastre que este filme retrata, mas se prender demais ao quesito técnico, pode prejudicar o filme no que vem em seguida. Creio que vários filmes sobre desastres reais, podemos citar Titanic, Vivos, Tormenta, Enchente: Quem Salvará nossos filhos?, Mar em Fúria, entre outros, não ficaram se prendendo a nos explicar tudo tecnicamente. Penso que se você quer tudo explicado em todos os detalhes, então assista reportagens e documentários.

As maiores presenças do filme são de Kurt Russell e John Malkovich, ambos sempre competentes e já grandes conhecidos do público. A presença de Kate Hudson, que é filha na vida real de Goldie Hawn (sendo assim é afilhada de Kurt Russel, pois ele e Goldie Hawn são casados desde 1983), faz sua atuação assim como o protagonista Mark Wahlberg, ambos sempre fazem seus papéis em bom nível, mas não houve momentos surpreendentes. Na realidade quem mais surpreende é o diretor Peter Berg, pois suas contribuições cinematográficas anteriores não foram de grande expressão, como Bem-Vindo à Selva, Hancock, O Grande Herói e Battleship.

O filme fica bom mesmo, como é o esperado, nos momentos em que o desastre começa a acontecer, assim como é comum em outros filmes baseados em grandes desastres. Para mim, o filme tem seus méritos e algumas críticas, mas nada que atrapalhe o triste fato de retratar um acontecimento terrível e nos alertar.

Trailer do site:
Daniel Fontebasso
(Crítico e diretor de curtas)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente: